CONTATO: unistaldense@hotmail.com

Terremoto de magnitude 6 é registrado no Atlântico na costa do Brasil

O centro de pesquisa norte-americano informou que o terremoto aconteceu a uma profundidade de nove quilômetros, mas não há indicações imediatas de tsunami.

Um tremor de magnitude 6 foi registrado pelo Centro Nacional de Informações sobre Terremotos do Estados Unidos no Oceano Atlântico a 878 quilômetros do Arquipélago de Fernando de Noronha e a 1.277 quilômetros de Natal neste domingo (15), às 10h08, horário de Brasília. As primeiras informações indicam que o tremor não foi sentido na capital potiguar, nem no arquipélago.

A primeira versão do título reportagem informava que a distância do epicentro em relação à costa brasileira era de "1,2 km", quando o correto é "1,2 mil quilômetros". O erro foi corrigido.

O abalo no mar foi verificado pelo centro de pesquisa geológica norte-americano numa profundidade de 9 km, abaixo do fundo do mar. O local fica a 415 quilômetros do arquipélago de São Pedro e São Paulo e tem histórico de instabilidade, por estar acima de uma falha geológica. A Marinha do Brasil ainda investiga possíveis impactos na região.

Segundo o professor do Instituto de Geociência da Universidade de Brasília (UnB), João Willy Correa Rosa, o terremoto não representa risco de tsunami, porque ocorreu em um local de águas profundas.

“Há ali no oceano uma coluna de água de mais de 4 mil metros. Para haver tsunami seria preciso um sismo mais forte e mais próximo da costa. Tem que ter determinadas características de como a rocha é rompida. O tsunami só ocorre em determinadas ocasiões. É uma exceção”, disse o especialista do Observatório Sismológico da UnB, em Brasília.

O tremor, na avaliação do especialista, é considerado de médio a grande impacto, mas se comparado com o histórico da região pode ser classificado como normal. "É um sismo com magnitude esperada para essa região e que ocorre a cada 5 anos num raio de 5 mil km", disse Rosa.

O professor explica ainda que a falha geológica fica entre as placas tectônicas Africana e da América do Sul. Segundo ele, há um movimento constante de separação dessas placas, o mesmo que provoca um afastamento de em média 10 centímetros por ano entre os dois continentes.

Nenhum comentário: